Poemas Apresentados ao III Prémio de Poesia em Rede - Publicação Provisória
31.12.08

 

O LIVRO

  
Eu sou o livro!

Sou engraçado,

Conto-te histórias

Sempre calado.


Se me tratares

Com muito amor

Eu posso ser

Teu professor.

Mostrar-te o mar

Com seus peixinhos,

Bonitos ninhos com passarinhos.


Posso levar-te ao meu jardim.

Tenho tulipas, rosas, jasmim…


Eu posso ser o teu amigo

Se me levares sempre contigo!

 
Eu só não posso

Dar-te alegria,

Se me ofereceres

À tua tia.

 
 

Lídia Borges

 
 

link do postPor poesiaemrede, às 00:18  ver comentários (8) comentar

   

    "integral

    

    dá-me de volta o vazio despretensioso

    do teu sorriso que perdi

    na vertigem irrevogável dos dias somados.

    

    lanço ao futuro os olhos semi-cerrados,

    procuro a inocência que já não trago,

    porque agora vive em ti.

    

    fosse a vida a pura soma dos sorrisos,

    e das gotas desse orvalho da manhã,

    que trazes nas tuas mãos de criança.

    

    fossem tão simples os gestos necessários de hoje,

    como as perguntas que nos fazes

    e límpido chegaria o dia de amanhã.

    

    trazes na tua pele integral o exemplo da pureza

    e já tantos te olham qual abutres o cadáver.

    

    
    tiago pedras

link do postPor poesiaemrede, às 00:11  ver comentários (7) comentar

29.12.08


Criança em mim, criança em ti
 
Os teus olhos brilham
A mentira não sai de ti
Letra a letra
Vais caminhando neste mar
Onde aprenderás a desenhar o fado.
Entre a magia do berlinde
Vais lançando peões
E correndo em caçadinhas.
Acordas
Ela fugiu do teu corpo
Penetrou a lembrança
Entre vais e voltas
serás sempre criança.
 
                                    Paulo Teixeira

 

link do postPor poesiaemrede, às 01:45  ver comentários (1) comentar

28.12.08

                                            

 

                                                   O mundo em teus olhos

                                                    Em teus olhos vejo o mundo,
                                                    Belo, irrequieto, passageiro,
                                                    Por vezes demasiado profundo,
                                                    À luz do candeeiro.

                                                   O que esconde teu sorriso,
                                                   Amor, dor, felicidade?
                                                   Ou tão somente o que é preciso,
                                                    Respira liberdade.

                                                   Suspiro pelo momento,
                                                   Em que te vejo, e contigo brinco,
                                                   O meu único lamento,
                                                   É não gastar o tempo com afinco.

                                                   Nos teus olhos, criança,
                                                   Em olhares singelos,
                                                   Tudo desliza numa dança,
                                                   Que faz meus dias mais belos.

                                                   Vítor F.



 

link do postPor poesiaemrede, às 00:48  comentar

CRIANÇA DO AMANHÃ



Olhos no olhos te admiro,

ainda franzino, bebé,

crescerás num suspiro.

Meu tempo não é o teu tempo,

e eu peço ao Sol, ao vento,

que adie meu retiro...

Quero-te ver crescer,

Ser o lobo mau

A quem vais bater

em tuas brincadeiras...

Levar-te às cavaleiras

em correrias sem fim...

Tu fazes parte de mim...

És a criança que carrego ao colo,

serás o jovem de amanhã,

ver-te será meu consolo,

E o mundo como te aceitará??

 

 

 

 

 

 

Alexandrino Sousa

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:45  comentar

              Ao olhar nos olhos de um criança…



              Ao olhar nos olhos de um criança
              pode-se ver uma alma pura,
              um ser de  alegria e ternura, que pouco dura…
              Porque um dia será adulto,
              as crianças pensam na alegria,
              nunca pensam na dor,
              pensam no que é o amor,
              mas não sabem que se pode tornar dor…
              Sonham com fantasias e magias,
              um paraíso cheio de alegrias que
              só os adultos o podem destruir,
              com uma simples palavra “ Guerra”,
              deixam de ser puras para,
              se tornarem duras…
              Pegam em armas para
              combater e destruir o seu mundo,
              que era de alegria e que se
               torna em tristeza e dor…
               Ficam sem os seus pais,
               tudo se torna em fúria,
               matam para poderem viver,
               deixam de ser puras,
               Para serem duras…
               suas vidas deixam,
               de ser sonhos e passam,
               a grandes pesadelos,
               deixam de ter coração,
               matam os pais de outras crianças,
               e assim se vigem da dor…
               Será que um dia estas crianças podem dar amor?




                                                    Feito por: Rute Luz

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:37  comentar

27.12.08

Autor: Gonçalo Marques

 

Eu não mudo

Parece que foi ontem, e foi mesmo.

Neste dia frio de Inverno deixei de ser criança.

Completei dezoito anos e, assim o dizem, sou um adulto.

Larguei para traz o jovem Verão, sou um vivido Inverno.

Mas resume-se a isto?

Faço dezoito primaveras e sou adulto?

E enquanto não as fizer sou criança?

E se eu ainda não me sentir no Inverno?

E se eu quiser permanecer mais algum tempo no Verão?

O meu espírito e a minha mente continuam jovens,

Com as motivações e sentimentos de crianças

Que se riem com muito e preocupam-se com pouco.

O meu interior não mudou neste dia!

Rejeito veementemente essa premissa.

Queres-me dizer que deixei de ser o rapaz que vive na mãe

E que agora sou o homem que paga as prestações?

Não, não pode, sinto-me jovem e não anseio as responsabilidades!

Então, quando cessará completamente a criança que reside dentro de mim?

Quero acreditar que nunca.

Pode vir o Outono, que esse sim, lentamente me levará

Para o Inverno, aquele que me vai pesar no corpo,

De tantas responsabilidades e deveres.

Posso já estar no Inverno, mas sei que virá sempre e a qualquer momento

Uma leve aragem de calor, vinda talvez da África Equatorial,

Repleta de juventude, e que me fará, ainda que por momentos,

Ser novamente uma criança, a correr livremente sem que nada me pese.

O espírito do Verão irá sempre permanecer dentro de mim,

Ele não morreu, ele não se esfumou.

Está adormecido, à espera que o acordem…

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:49  ver comentários (3) comentar

26.12.08

 

 

Como tu...

 

 

Foi aqui,

na Avenida 29...

 

Lá estava eu...

Lamentando a perda de alguém...

Lamentando o facto de nada ter feito para o evitar...

Soluçando por me sentir vazia,

infeliz. 

 

E tu...

Humano em miniatura,

aproximaste-te

e olhaste-me com os teus olhos azuis...

Agarraste minha mão,

sorriste

e desapareceste...

 

O toque da tua pele macia

e o teu sorriso,

bastaram p’ra me fazer compreender

que se não pudemos fazer algo,

também não adianta

repreender-nos por isso.

Devemos seguir em frente

e sermos como uma criança:

Sorrir, Chorar e voltar a Sorrir.

 

 

 

Manuela  Paiva

 

 

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 19:09  ver comentários (2) comentar

              O que é ser criança?
 
Gostava de vos dizer o que é ser criança
mas não sei
o que sei, é que ser criança é sorrir sem razão
 
É ter sempre confiança
naquilo que somos
e aquilo que somos não sei
só sei que hoje gostava de conseguir sorrir sem razão
 
Gostava de correr pelos campos
sempre a rir apenas porque me apetece
e a usufruir de tais encantos
que a infância nos oferece
 
Gostava de brincar com todos
e com todos sonhar
de abrir os olhos após acordar
e estar feliz apenas por aqui estar
 
Gostava que o brilho dos meus olhos tivesse vida
porque vida é luz
e luz é o que cura a ferida
 
A ferida causada por aqui estarmos
por sem parar lutarmos
e por muitas vezes perdermos
 
A ferida que apenas com o tempo sara
mas que em criança não conhecemos.
                                                                      Sophie

link do postPor poesiaemrede, às 17:55  comentar

“O Mundo dos Sinais”


Encerrado no teu mundo
perfeito e impenetrável
onde é difícil entrar
e interpretar os sinais,
desvendar os teus mistérios,
poder contigo brincar

Crias rotinas de vida
Que não deixas partilhar.
E finges que nem me vês.
No autismo dos teus sonhos
és um menino diferente...
Criança tão especial!

É na leveza das águas
que te soltas, que te entregas
às carícias de um amigo
que, apesar, de ser golfinho,
permites que te dê beijos
que agradeces com abraços

Conheces bem os seus sons
e respondes aos seus estímulos
com um sorriso rasgado
e captas as vibrações,
sabes sua linguagem,
com ele te comunicas.
A mim tu não te revelas,
sou só um simples mortal!


Fernanda Esteves 

 

 

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 17:42  ver comentários (3) comentar

ANJOS

São pessoas reais em ponto pequeno
sem medos, dogmas ou preconceitos
todas de jovial rosto, belo e sereno
houvesse perfeição, seriam perfeitos

Anjos puros, sinónimos de alegria
luz e cor das nossas efémeras vidas
nascidas do ventre da virgem Maria
com todo o nosso amor, recebidas

São o futuro que a todos espera
são a razão da nossa felicidade
anjos que povoam a grande esfera
anjos nascidos pela intimidade

Amemos, pois, estes anjos de ouro
preciosidades divinas e celestiais
anjos que são mais que um tesouro
são a razão de viver de todos os pais

Sem esses anjos nada faria sentido
perderíamos a alegria e a esperança
nós temos mesmo de tirar partido
da boa disposição de uma criança

EMANUEL LOMELINO

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:58  ver comentários (7) comentar

 

Para ti criança

 

 

 

Criança! Os teus olhos são estrelas

Que iluminam, o céu da minha vida

Eu sem essa luz, fico perdida

Deixa-me meu Deus, guiar por elas

 

São os teus cabelos, raios de luz

Que brilham, e cintilam entre os dedos

Quando os afago, não há medos

E a sua beleza, me seduz

 

Como borboletas, esvoaçando

Assim tuas mãos, eu descrevi

Não parando quietas, um segundo

 

Seguindo teus passos, vou andando

Dá-me a tua mão, eu estou aqui

E vou-te mostrar, o que é o mundo

 

 

 

 

 

Escrito por: Maria Idalina Pata

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:54  ver comentários (13) comentar

Poesia em Rede
 
Poesia em Rede
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25

30


Leituras
subscrever feeds
blogs SAPO
Contador de visitas