Poemas Apresentados ao III Prémio de Poesia em Rede - Publicação Provisória
20.1.09

 

A bola da Rita rebola, e rola…calçada fora…
Rebola e saltita, calçada fora, por sobre os lancis,
Por sobre os beirais, calçada abaixo, por meio dos quintais
E ei-la que espreita e agora se esconde
A bola da Rita rebola, rola, saltita e gira, rodopia
Sem parar, qual piáo, qual corcel, atira-se ao ar
E salta outra vez, agora que sobe aquela ladeira
Deixa-se cair, rola, rola, rola sozinha, sempre a andar
Agora se esconde, já quase perdida, já quase a parar
E a Rita cansada, calçada fora, calçada abaixo,
Ladeira acima, ladeira abaixo, corrida sem fim, até sufocar
Quem dera que a bola parasse enfim,
Enfim cansada, sem fintas nem nada, que fosse parando,
Devagarinho, esperando pela Rita, que corre, se corre!
E agora, onde está? Passou os quintais, saltou dos canteiros,
A bola da Rita não pára, não quer, sem esperar saltita e
A Rita grita:« Ai bola malandra, não fujas de mim!»
Mas a bola rola e rola, rebola e pula, fintando a Rita,
Que sempre a correr, sempre a saltar, persegue a bola,
A sua bola, que chegou à estrada, sem medo de nada,
Matreira e rápida, num instante se some, rolando, rolando
Até ao cais, pertinho dos barcos, juntinho à amurada
E a Rita sem fôlego, quase a apanhá-la, quase a chegar
Ao pé da bola, ao pé dos barquinhos, e agora um ventinho;
Um vento de nada, que sopra mansinho até à amurada
E a bola que esperava, agora parada, que a Rita a levasse,
Em menos de nada, se deixa embalar na brisa da tarde e
Adeus, Rita, que o rio me chama: eu vou viajar,
Um dia quem sabe, se tu me quiseres, eu vou voltar,
Se o mar me trouxer e tu, então, quiseres me agarrar

Cálice

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:37  comentar

De Francisco de Aragão a 20 de Janeiro de 2009 às 09:03
Minha linda,

O poema está muito bonito e muito bem escrito. Adorei! Tenho a certeza que terás futuro na escrita, e bem mereces.

Beijos grandes

Francisco

De L. Borges a 20 de Janeiro de 2009 às 22:19

Interessante! De realçar o ritmo, a leveza e a graça.

Parabéns!

De PAULA NUNES a 21 de Janeiro de 2009 às 14:01

Os incentivos são a melhor inspiração...
Obrigada pela rima das vossas palavras!

Abraços poéticos!

De Os tais Nunes a 22 de Janeiro de 2009 às 17:53
LINDO,EMOTIVO ! MEXE COM A CRIANÇA QUE EXISTE DENTRO DE CADA UM DE NÓS E DESAFIA-A PARA SALTAR TAMBÉM PARA A RUA E, COM TODAS AS RITAS, CORRER,PULAR EM PERSEGUIÇÃO DA " BOLA COLORIDA ", QUE AMANHÃ HÁ-DE VOLTAR À POSSE DE TODAS AS CRIANÇAS !

BEM HAJAS

De Anónimo a 23 de Janeiro de 2009 às 10:47
Sem dúvida que está excelente!Há rima há repetição e há um encanto em torno da bribcadeira agitada de uma criança que corre atrás da bola!

De PINTA E BRINCA a 25 de Janeiro de 2009 às 19:24
Olá

Gostei do seu poema!
Já guardei nos meus " Favoritos "
Boa sorte!
Um abraço

Gaby Ortega

De Anónimo a 25 de Janeiro de 2009 às 19:27
Olá

Gostei do seu poema!
Já guardei nos meus " Favoritos "
Boa sorte!
Um abraço

Gaby Ortega

De Nz a 27 de Janeiro de 2009 às 07:05
Adorei o teu poema.
Fizeste-me reviver momentos da minha infância.
Voltar ao tempo em que eu era muito traquina e que corria não atrás de uma bola mas de um sonho.
Beijos.
Nz

De Anónimo a 27 de Janeiro de 2009 às 09:16

Corrias, não Amiga! Corres! Sonho não foge das mãos dos que têm alma do tamanho do Universo, como tu!
Bjs

De Esteves a 29 de Janeiro de 2009 às 12:02
Infantil?!
Os nossos "infantes" estão desenvolvidos e de parbéns!
Gostei do ritmo, da sequência e das "bolhas de espumante".
Felicitações
Esteves

De José Correia a 29 de Janeiro de 2009 às 12:05
Os últimos 3 versos estão fantásticos.

De Anónimo a 31 de Janeiro de 2009 às 18:38
Gostei muito. Este poema encerra um misto de movimento, melodia e mensagem que, de certo, tocam o sentir da criança. Interessante.
Deve continuar!

Poesia em Rede
 
Poesia em Rede
Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
13
15

19
21
23

27
28
29
31


Leituras
blogs SAPO
Contador de visitas