Poemas Apresentados ao III Prémio de Poesia em Rede - Publicação Provisória
11.3.09

Salta, salta, sapo rabugento,

Energético a disfarçar o teu desalento.

Coaxa, coaxa a tua dor,

As tuas verrugas são puras provas de amor.

 

Na noite quente cantas pachorrento,

A embalar meu peito sonolento,

Sapo enrugado dos contos de criança,

De príncipe não te vislumbro semelhança.

 

Sapo de tudo, sapo de nada,

Sapo de terra, sapo de água,

Sapo de nadar, sapo de saltar,

Farto de pensar, sem saber como respirar.

 

Sapo de fabulação, sapo de empirismo,

Sapo de esborrachar, sapo de cinismo,

O bicho é afinal, a raiz de todo o mal.

A humanidade não lembra mais

A metamorfose que teu corpo traz.

 

Autor: Klapausius

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:27 

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Poesia em Rede
 
Poesia em Rede
Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13

15
16
19
20
21

22
24
25
27

29
31


subscrever feeds
blogs SAPO