Poemas Apresentados ao III Prémio de Poesia em Rede - Publicação Provisória
26.12.08

 

 

Como tu...

 

 

Foi aqui,

na Avenida 29...

 

Lá estava eu...

Lamentando a perda de alguém...

Lamentando o facto de nada ter feito para o evitar...

Soluçando por me sentir vazia,

infeliz. 

 

E tu...

Humano em miniatura,

aproximaste-te

e olhaste-me com os teus olhos azuis...

Agarraste minha mão,

sorriste

e desapareceste...

 

O toque da tua pele macia

e o teu sorriso,

bastaram p’ra me fazer compreender

que se não pudemos fazer algo,

também não adianta

repreender-nos por isso.

Devemos seguir em frente

e sermos como uma criança:

Sorrir, Chorar e voltar a Sorrir.

 

 

 

Manuela  Paiva

 

 

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 19:09  ver comentários (2) comentar

              O que é ser criança?
 
Gostava de vos dizer o que é ser criança
mas não sei
o que sei, é que ser criança é sorrir sem razão
 
É ter sempre confiança
naquilo que somos
e aquilo que somos não sei
só sei que hoje gostava de conseguir sorrir sem razão
 
Gostava de correr pelos campos
sempre a rir apenas porque me apetece
e a usufruir de tais encantos
que a infância nos oferece
 
Gostava de brincar com todos
e com todos sonhar
de abrir os olhos após acordar
e estar feliz apenas por aqui estar
 
Gostava que o brilho dos meus olhos tivesse vida
porque vida é luz
e luz é o que cura a ferida
 
A ferida causada por aqui estarmos
por sem parar lutarmos
e por muitas vezes perdermos
 
A ferida que apenas com o tempo sara
mas que em criança não conhecemos.
                                                                      Sophie

link do postPor poesiaemrede, às 17:55  comentar

“O Mundo dos Sinais”


Encerrado no teu mundo
perfeito e impenetrável
onde é difícil entrar
e interpretar os sinais,
desvendar os teus mistérios,
poder contigo brincar

Crias rotinas de vida
Que não deixas partilhar.
E finges que nem me vês.
No autismo dos teus sonhos
és um menino diferente...
Criança tão especial!

É na leveza das águas
que te soltas, que te entregas
às carícias de um amigo
que, apesar, de ser golfinho,
permites que te dê beijos
que agradeces com abraços

Conheces bem os seus sons
e respondes aos seus estímulos
com um sorriso rasgado
e captas as vibrações,
sabes sua linguagem,
com ele te comunicas.
A mim tu não te revelas,
sou só um simples mortal!


Fernanda Esteves 

 

 

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 17:42  ver comentários (3) comentar

ANJOS

São pessoas reais em ponto pequeno
sem medos, dogmas ou preconceitos
todas de jovial rosto, belo e sereno
houvesse perfeição, seriam perfeitos

Anjos puros, sinónimos de alegria
luz e cor das nossas efémeras vidas
nascidas do ventre da virgem Maria
com todo o nosso amor, recebidas

São o futuro que a todos espera
são a razão da nossa felicidade
anjos que povoam a grande esfera
anjos nascidos pela intimidade

Amemos, pois, estes anjos de ouro
preciosidades divinas e celestiais
anjos que são mais que um tesouro
são a razão de viver de todos os pais

Sem esses anjos nada faria sentido
perderíamos a alegria e a esperança
nós temos mesmo de tirar partido
da boa disposição de uma criança

EMANUEL LOMELINO

 

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:58  ver comentários (7) comentar

 

Para ti criança

 

 

 

Criança! Os teus olhos são estrelas

Que iluminam, o céu da minha vida

Eu sem essa luz, fico perdida

Deixa-me meu Deus, guiar por elas

 

São os teus cabelos, raios de luz

Que brilham, e cintilam entre os dedos

Quando os afago, não há medos

E a sua beleza, me seduz

 

Como borboletas, esvoaçando

Assim tuas mãos, eu descrevi

Não parando quietas, um segundo

 

Seguindo teus passos, vou andando

Dá-me a tua mão, eu estou aqui

E vou-te mostrar, o que é o mundo

 

 

 

 

 

Escrito por: Maria Idalina Pata

 

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:54  ver comentários (13) comentar

Poesia em Rede
 
Poesia em Rede
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25

30


Leituras
subscrever feeds
blogs SAPO
Contador de visitas