Poemas Apresentados ao III Prémio de Poesia em Rede - Publicação Provisória
6.2.09

Ser-se criança
é ser-se impertinente,
é ter a esperança
de um ser inconsciente.

É gritar à toa
batendo com o pé no chão,
um verso de “Pessoa”
que ficou no coração.

É não saber viver
apenas por um dia
é ser-se contente, conhecer,
uma imensidão de alegria.

Ser criança é ser poeta,
um vagabundear feliz,
é andar de bicicleta
é ser-se o que Deus quis.

É contar pelos dedos
para depois esquecer,
ter tremendos bocejos
e depois adormecer.

Assim, na vida dos cultos
onde andamos aos encontrões
respiramos como adultos,
crianças de outras gerações.

Soraya Cruz

 

link do postPor poesiaemrede, às 00:01  ver comentários (3) comentar

Poesia em Rede
 
Poesia em Rede
Fevereiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13

15
16
18
19

22
24
26


Leituras
subscrever feeds
blogs SAPO
Contador de visitas